quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Momento “adoro o meu país”

Quando crescer quero ser... huuuum... pessoa que recebe subsídio de desemprego com direito a subsídio de almoço e deslocação porque até está a tentar tirar um curso aos 30 – olhem o esforço e o empenho! E sou da opinião que esse pacote deveria incluir também uma pistola carregada. Sem ressentimentos. Nem mensagem nas entrelinhas.

Sim, existe gente assim. Bichas solitárias da economia que não produzem, só comem, quais crianças de 10 anos (e há países onde crianças de 10 anos trabalham mais do que eu). Há quem possa trabalhar e não trabalha, passa o dia inteiro a ver televisão por cabo e não tem vergonha de o dizer. Eu tenho é vergonha de gente tão pequena de cabeça falar a mesma língua que eu.

6 comentários:

LM disse...

Frases que já ouvi a proposito do mesmo assunto,de minhocas que falam a mesma lingua que eu:
"E ainda por cima a FoxLife repete 3 vezes ao dia as mesmas coisas."
"Já viste, ao fim dum ano e meio, agora passo a ter um subsidio só de 250 euros..o que é que eu faço com 250 euros?"
...

Poetic GIRL disse...

E há dinheiro para pagar a TV por cabo! ah pois é! bjs

Miguel disse...

Tu não és normal...

;)

Rachelet disse...

Poetic Girl: há dinheiro para a cabo, para maços de tabaco e idas ao restaurante porque gente como eu, que trabalha a recibos verdes e que paga segurança social todos os meses mas não tem direito a nada se um dia acorda sem trabalho, anda a descontar para esta gente que a Emma tão bem descreveu.

Que felicidade a minha saber que trabalho 12 a 14 horas por dia para não dever nada a ninguém, nem vejo a luz do dia, mas há quem ande aí a dar-se a luxos com o que me custa a ganhar.

Poetic GIRL disse...

Rachelet; é a isso que me referia, que andam eles a usufruir o que um dia se nos calhar a nós não vamos ter... eu conheço casos desses que estão o dia todo à lamentar-se sem fazer nenhum e ainda recebem por cima.Se me acontecer um dia provavelmente não terei ajudas. O remédio? desenrascar sózinha que foi isso que os meus pais me ensinaram, beijocas

Rachelet disse...

Acredita. Conheço um casal que há 15 anos que vive assim, do Estado (sendo que o Estado somos todos nós). Acredita que não se priva de nada, come do bom e do melhor no restaurante, a que se deslocam de carro, apesar de ser perto, e só compram no Pingo Doce e no Corte Inglés, porque Lidl e Minipreço não tem categoria para eles. E quando surge um telefonema do centro de emprego com uma oferta, ainda se riem e desdenham.

Oh well... cada qual tem o país que lhe coube na rifa. ;)